FAQs

As respostas às perguntas mais frequentes

As Despesas do projeto devem ser realizadas dentro do período de elegibilidade das despesas (data de projeto) indicadas na Convenção de Subvenção, segundo o Guia são custos gerados durante a vigência do projeto.


Sim. Os custos de alojamento da VAP são para os participantes que participam na mesma.


A entidade coordenadora deve emitir o Youthpass. No entanto é possível dar essa responsabilidade à organização de acolhimento (se esta for diferente da organização coordenadora), fornecendo-lhe os dados do projeto e a organização de acolhimento insere os dados necessários através da sua conta youthpass, podendo adicionar a entidade coordenadora como editor também para poder acompanhar o processo.

 


Os custos excecionais são 100% elegíveis para este contexto logo com base em custos reais. As organizações que tenham jovens com menos oportunidades e que necessitam de ter uma tutoria reforçada e de uma preparação específica devem apresentar a fundamentação do pedido de apoio e o valor em questão no formulário de candidatura.


Não. Só organizações acreditadas é que podem acolher voluntários de forma regular. A acreditação serve para ter acesso ao Serviço Voluntário Europeu e para assegurar que os princípios e os padrões mínimos de qualidade do SVE são cumpridos.


A formação linguística é obrigatória para todos os voluntários integrados em projetos com uma duração entre 2 a 12 meses seja através da formação em linha disponibilizada pela Comissão Europeia ou através do financiamento atribuído pelas Agências Nacionais.

 


Um youth worker poderá ser considerado jovem com menos oportunidades independentemente da idade apresentada.

 


O relatório final do voluntário é realizado no seu término. A mobility tool envia automaticamente o relatório, para ser preenchido pelo voluntário, após a data de fim da atividade, pelo que o seu preenchimento só é possível após essa data.


Os custos de viagem são custos unitários conforme previsto no guia do programa e são calculados do local de residência e o local de acolhimento (ida e volta). Devem guardar todas as evidências dos transportes utilizados, conferir anexo II, Artigo II.16.2.4, no caso da Ação Chave 1, Artigo II.16.2.5 Ação Chave 2, Artigo II.16.2.6 Ação Chave 3 no que respeita à documentação de suporte para confirmar a realização das viagens.


As responsabilidades do coordenador do projeto estão descritas no Anexo II, Condições Gerais, Parte A – Artigo II.1.3 –Obrigações Gerais e papel do Coordenador, disponível do site da Agência Nacional (http://www.juventude.pt/biblioteca) e que é parte integrante da Convenção de Subvenção.


  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • Página 2 de 7
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização Está a usar um navegador desatualizado. Por favor, actualize o seu navegador para melhorar a sua experiência de navegação.